domingo, 25 de novembro de 2012

POEMAS TRADUZIDOS (I) - Sergio Corazzini (1886-1907)


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
DOR
I
Vou dizer-te em segredo
meu doce desatino
que me faz triste e quieto
 
tanto; vejas, a minha
alma é o meu coração
e o coração é a minha
 
alma, e caso essa dor
na alma um pouco se sinta,
sofre também o peito,
 
criança quietamente.
 
DOLORE
I
Voglio dirti in segreto
de la dolce follia
che mi fa triste e quieto
tanto; vedi, la mia
anima è nel mio cuore,
il cuore è nella mia
anima, e se dolore
l'anima un poco sente,
soffre un poco anche il cuore,
bimbo quietamente.
 
II
Eu, vejas, sofro muito,
e mais sofro e mais sinto
que sofrerei; se escuto
 
o meu desvairamento
contínuo, então sem trégua,
sem um breve momento
 
de paz, e se dispersa
não sei como, parece
que se esta alma seguisse
 
outro céu, outro mar.
 
II
Io, vedi, soffro molto,
e più soffro e più sento
che soffrirei; se ascolto
il mio vaneggiamento
continuo, senza tregua,
senza un breve momento
di pace, e se dilegua
poi non so come, pare
che l'anima lo segua
oltre il cielo, oltre il mare.
 
III
Eu tenho tanto amor
a um crucifixo de ouro
que se abre sobre o peito.
 
É de um tênue trabalho,
mas não é uma memória
como eu tive, ignoro.
 
Eu o amo porque sei
que na cruz foi em dor
e dela muito afligiu
 
o meu doce Senhor!
 
III
Io porto tanto amore
a una crocetta d'oro
che s'apre, sul mio cuore.
 
È un tenue lavoro,
non è un ricordo, no,
come l'ebbi, l'ignoro.
 
Io l'amo perché so
che croce fu dolore,
e assai ne spasimò
 
un mio dolce Signore!

A IGREJA ABANDONADA

Dlin-don, dlin-don, oh pequenina voz,
de Santa Maria da Conceição,
oh sapiente e prolongada oração
sob os imóveis céus da férrea cruz;


altares brancos feito almas, de tão
bons, e os santos ledos no martírio atroz,
oh Gabriel, que sob aos pés, feroz,
rebela grave em luz de propensão;

coroas de ouro, mantos de brocado
peitos feridos, bocas dolorosas,
olhos nos olhos em adoração,

oh nada, nada sobrevêm ao fado
nem a tétrica ruína dessas coisas
que a Santa Maria da Conceição.

 
CHIESA ABANDONATTA

Din, dan, don, dan, o la piccola voce,
Santa Maria de la Concezione,
o, sapiente lunga orazione
sotto immobili cieli, ferrea croce;

altari bianchi come anime, buone,
i santi lieti nel martoro atroce,
o Gabriel, sotto il cui piè, feroce
ghigna il ribelle con le luci prone;

corone d’oro, manti di broccato,
cuori trafitti, bocche dolorose,
occhi con occhi in adorazione,

oh nulla, nulla sopravisse al fato
ne la tetra rovina de le cose,
Santa Maria de la Concezione.