segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

A CINZA DAS HORAS, PRIMEIRO LIVRO DE MANUEL BANDEIRA: O CENTENÁRIO DE SUA 1ª EDIÇÃO (1917-2017)



Neste ano de 2017 marca o centenário de uma das obras que abriram caminho para a moderna poesia brasileira: “A Cinza das Horas” (1917), de Manuel Bandeira (1886-1968). O livro, então com 49 poemas, numa edição de apenas duzentos exemplares e custeada pelo pai, figurou-se não apenas o volume de estreia do autor. Ainda que naquele ano houveram outros lançamentos de relevo, tais como “Carrilhões”, de Murillo Araújo (1894-1980), “Nós”, de Guilherme de Almeida (1890-1969), “Uma Gota de Sangue em Cada Poema”, de Mário de Andrade (1893-1945) e “Verão”, de Martins Fontes (1884-1937), o livro de Bandeira sem dúvida foi, pelos rumos que a lírica nacional tomou após a publicação, o mais significativo daquele ano.

Como afirmou Wilson Martins certa vez, Bandeira foi, do ponto de vista da inspiração e da técnica, um simbolista tardio e um precursor do Modernismo, como pode ser fartamente visto em A Cinza das Horas. Vindo do Parnasianismo e do Simbolismo, ou do interregno que marcou essa transição, Bandeira trouxe consigo esse sentido de artesanato poético, que o acompanhou até o fim. Neste primeiro livro predominam ainda os versos metrificados e rimados, contudo já se verifica um avanço significativo através de poemas que transitam a polirritmia e ultrapassam a fronteira dos versos livres, que viriam mais tarde.
 
 
É curioso lembrar ainda que Manuel Bandeira traz a regularidade métrica como um dom praticamente inato, custando-lhe os poemas em verso livre, polimétricos ou metrificados o mesmo esforço. Se a poesia dele, como concepção, sofreu a influência decisiva do Modernismo, foi a partir da poesia divulgada através de A Cinza das Horas tecnicamente que ele conservou o virtuosismo parnaso-simbolista através do qual não findou em nenhum momento. 

Em Bandeira, o artesanato é, por assim dizer, uma habilidade manual ou física, que, pelo longo exercício dos decênios posteriores, na afirmação da poética, brota naturalmente sem força e com fluidez. O vate pernambucano, tal como pode ser visto nos volumes posteriores, já mostra estar de posse de todas as suas virtudes e qualidades como artista do verso desde o primeiro livro. Por isso, nestes cem anos da estreia, Manuel Bandeira ensinou a todas as gerações posteriores que a expressão poética é o sentido último da poesia no poema, que está acima de qualquer esteticismo ou sentimentalismo equivocado. Ou seja, ensinou a todos nós como a poesia deve ser.

sábado, 5 de dezembro de 2015

IDEAIS, ILUSÕES /I



IDEAIS, ILUSÕES /I

Nosso querer — montanha do real —
concentra-se a visão de inútil luta,
de cujo cimo é a busca irresoluta
para uma aspiração lenta do mal.

Deleitai-vos então neste jogral
em que dulcificada se disputa,
pela noção da certeza absoluta
de que é inócua a essência do Ideal.

Humanos ideais que o pendor realça,
longa vontade da ilusão descalça,
se o quer, um tanto vê, bastante o cega;

mas se consegue outro ideal se forma,
a eterna natureza de que és norma,
um anseio que ao fim jamais se chega.

                                               (2011)
_____________________
Fonte da Obra Reproduzida: Henri Matisse (1869-1954) - "Ícaro" (1943).
Maqueta para "Jazz", publicado pela primeira vez em 1947. Guache sobre papel cortado, 40,5x27 cm. Musée National d´Art Moderne - Centre Georges Pompidou – Paris.