domingo, 25 de novembro de 2012

POEMAS TRADUZIDOS (I) - Sergio Corazzini (1886-1907)


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
DOR
I
Vou dizer-te em segredo
meu doce desatino
que me faz triste e quieto
 
tanto; vejas, a minha
alma é o meu coração
e o coração é a minha
 
alma, e caso essa dor
na alma um pouco se sinta,
sofre também o peito,
 
criança quietamente.
 
DOLORE
I
Voglio dirti in segreto
de la dolce follia
che mi fa triste e quieto
tanto; vedi, la mia
anima è nel mio cuore,
il cuore è nella mia
anima, e se dolore
l'anima un poco sente,
soffre un poco anche il cuore,
bimbo quietamente.
 
II
Eu, vejas, sofro muito,
e mais sofro e mais sinto
que sofrerei; se escuto
 
o meu desvairamento
contínuo, então sem trégua,
sem um breve momento
 
de paz, e se dispersa
não sei como, parece
que se esta alma seguisse
 
outro céu, outro mar.
 
II
Io, vedi, soffro molto,
e più soffro e più sento
che soffrirei; se ascolto
il mio vaneggiamento
continuo, senza tregua,
senza un breve momento
di pace, e se dilegua
poi non so come, pare
che l'anima lo segua
oltre il cielo, oltre il mare.
 
III
Eu tenho tanto amor
a um crucifixo de ouro
que se abre sobre o peito.
 
É de um tênue trabalho,
mas não é uma memória
como eu tive, ignoro.
 
Eu o amo porque sei
que na cruz foi em dor
e dela muito afligiu
 
o meu doce Senhor!
 
III
Io porto tanto amore
a una crocetta d'oro
che s'apre, sul mio cuore.
 
È un tenue lavoro,
non è un ricordo, no,
come l'ebbi, l'ignoro.
 
Io l'amo perché so
che croce fu dolore,
e assai ne spasimò
 
un mio dolce Signore!

A IGREJA ABANDONADA

Dlin-don, dlin-don, oh pequenina voz,
de Santa Maria da Conceição,
oh sapiente e prolongada oração
sob os imóveis céus da férrea cruz;


altares brancos feito almas, de tão
bons, e os santos ledos no martírio atroz,
oh Gabriel, que sob aos pés, feroz,
rebela grave em luz de propensão;

coroas de ouro, mantos de brocado
peitos feridos, bocas dolorosas,
olhos nos olhos em adoração,

oh nada, nada sobrevêm ao fado
nem a tétrica ruína dessas coisas
que a Santa Maria da Conceição.

 
CHIESA ABANDONATTA

Din, dan, don, dan, o la piccola voce,
Santa Maria de la Concezione,
o, sapiente lunga orazione
sotto immobili cieli, ferrea croce;

altari bianchi come anime, buone,
i santi lieti nel martoro atroce,
o Gabriel, sotto il cui piè, feroce
ghigna il ribelle con le luci prone;

corone d’oro, manti di broccato,
cuori trafitti, bocche dolorose,
occhi con occhi in adorazione,

oh nulla, nulla sopravisse al fato
ne la tetra rovina de le cose,
Santa Maria de la Concezione.
 

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

DOIS POEMAS DE MIGUEL D´ORS

 
 
A MARIPOSA
 
A Mariposa é filha
de uma flor e um aplauso.
 
 
TÍO ATILANO
 
Em noites como esta recordo do tio Atilano
em sua mesa do velho “Savoy” de Pontevedra:
eram mais de cinco horas da tarde ao verão;
a vida ia e vinha pela praça de pedra
 
e ele a via passar, tão perto —  mas há tanto —
desde a ilha de mármore —  com a taça de café
de pura linhagem que extenuava em sua mão
e com as páginas digestivas do ABC ­­­— .
 
Em noites feito esta, com o desejo de ser
também incorporado a algum povo ricaço,
para além do Levante —  Elche, Villena, Alcoy… —,
 
despertar-se as dez horas, barbear-se, comer,
ir uma vez por ano à firma para o despacho
e ver passar a vida sentado no “Savoy”.
 
SOBRE MIGUEL D’ORS
Miguel d'Ors é professor e poeta espanhol, nascido em Santiago de Compostela, Galiza, em 1946. Su poesía es elogiada por la conjunción de un perfecto dominio técnico de las formas poéticas con la renovación de una temática (biográfica, religiosa, política, elegíaca) en principio calificada de 'tradicional'. Sua poesia é elogiada pela perfeita combinação do domínio técnico através da reexperimentação de várias formas poéticas com a renovação de um sujeito (elegíaco biográfico, religioso, político), normalmente descrito — pela crítica — como "tradicional". Su obra ha influido en numerosos poetas jóvenes. Sua obra influencia, hoje, vários poetas na Espanha e na América. Se le ha incluido en diversas antologías. Ele está incluído em várias antologias. Ha sido traducido al inglés, francés, portugués, alemán, ruso, armenio y polaco. Sua obra poética foi traduzida para o Inglês, Francês, Português, Alemão, Russo, Armênio e em Polonês. Obtuvo el doctorado en Filosofía y Letras en la Universidad de Navarra, donde trabajó como profesor entre 1969 y 1979.Professor desde 1969, dez anos depoisDesde 1979 fue profesor de Literatura Española en la Universidad de Granada, donde se jubiló en 2009. passou a lecionar literatura espanhola na Universidade de Granada, onde se aposentou em 2009. Ha publicado trabajos de investigación en Literatura Española, especialmente sobre Manuel Machado y poesía española actual. Ele tem publicado trabalhos de pesquisa em literatura espanhola, especialmente a poesia de Manuel Machado e lírica espanhola atual.
 
Os poemas acima foram traduzidos da seguinte referencia:
 
D’ORS, Miguel. El Mistério de la Felicidad. Sevilha: Renascimiento, 2009.
 

sábado, 6 de outubro de 2012

UM SONETO DE BRUNO TOLENTINO


 
I. 170
Foram dias estranhos, luz na periferia
da luz, como se agora, e lento, o corredor
do instante se esticasse e deixasse supor,
senão um desenlace, uma ante-sala fria
   como a hora alongada que precede a agonia
do dia e desemboca aos poucos num sabor
metálico, de papel de estanho, uma anticor
de ocaso adivinhado, que ainda mal se anuncia.
   Esses dias de luz mais fria, como os lembro,
tinham de uma claridade oblíqüa, fotográfica,
entre a nudez metálica e a geometria errática:
  Alexandria, abandonada membro a membro
a bacantes tardias, sensualmente sádica,
cortava-nos ao vivo no estanho de Setembro.
 
(TOLENTINO, Bruno. A Imitação do amanhecer. Rio de Janeiro: Globo, 2006).

 

O soneto traz no seu contexto uma sugestão de mudança refletida no sujeito poético, que o instigava e angustiava os sentidos, além da conotação do tempo decorrido, do cromatismo das descrições metálicas, amargas e adstringentes. Assim, dá-se o processo de focalização do objeto em fotomemória evocativa do real, no substrato imaginado. Essa memória contemplativa alimenta o tônus principal desse poema-livro de fôlego que é A Imitação do Amanhecer. Esse soneto cabe no exemplo que se enquadra em todo o volume: um fluxo interior de uma atmosfera dramática, em tentativa de preservação de um passado em consonância com a mudança problematizadora do presente.

No soneto analisado, estranhamentos tensos, sugeridos por “hora alongada” seguida de “desembocar aos poucos”, predominam imagens que sugerem uma mudança gradual e renhida, reiterado também na sensação dos sentidos entrecruzados, que é apresentado, por exemplo, na sinestesia “num sabor metálico”. O sujeito poético busca a utilização de todos os sentidos possíveis para atestar essa mudança, mesmo sendo de belezas estranhas e impressionistas. As imagens de intenso brilho permeiam todo o soneto, sugerindo uma aura de imobilizar o tempo no âmago do eu-poético. Os versos são alexandrinos, a um modo muito particular do poeta, uma vez que a presença dos versos metrificados é uma constante em Tolentino em toda a sua obra. 

Posso afirmar que Bruno Tolentino, na reexperimentação dos dodecassílabos em língua portuguesa, rearranjou a estrutura interior desse verso com o recurso da polirritmização. O verso alexandrino clássico, da forma como o conhecemos, foi importado da França e adaptado a nossa língua. No Brasil, o primeiro autor a usar o verso alexandrino foi Machado de Assis, conferindo-lhe — com o decorrer do apogeu de reconhecimento crítico a sua obra — o status necessário para a afirmação do metro poético. No entanto, as versificações dodecassilábicas obtiveram a primeira significativa mudança com Emiliano Perneta, Alphonsus de Guimaraens e Francisca Júlia em finais do Século XIX. Esses poetas deslocaram o acento rítmico binuclear dos hemistíquios para a 4ª e 8ª sílabas. A polirritmização, ou seja, o uso concomitante do verso dodecassílabo quaternário (também chamado de moderno), com o alexandrino francês e o alexandrino espanhol deram uma fluência extraordinária aos versos do livro A imitação do amanhecer, que juntamente com as sequencias de enjambements, atingiu-se uma comunicabilidade elástica de rara precisão. Uma vez fruído, são versos que elevam o leitor a outro estado de percepção.

A exemplificação dessa técnica desenvolvida por Bruno Tolentino (que não se confunde com a técnica de fazer versos), na observação e leitura de diversos livros da poesia brasileira, é conseguida através de muita meditação e convívio com as várias soluções verbais e versificatórias possíveis. Além disso, são necessários muitos anos de tentativa, convivência com os mestres de todos os tempos literários, amadurecimento e conhecimento interior. Mesmo assim, julgo haver poucos exemplos. Tais como em: Jorge de Lima (da Túnica Inconsútil, adiante), Carlos Drummond da terceira fase (Claro enigma, Fazendeiro do Ar, A vida passada a Limpo e Lição de Coisas), de alguns poemas dos poucos conhecidos Waldemar Lopes e Abgar Renault e o terceiro Cassiano Ricardo (poesia do autor da década de 40).

Segue como exemplo também parte da obra de Cecília Meireles, principalmente a da maturidade e Tasso da Silveira, (no livro intitulado Puro Canto). Dos representantes da geração 60, podemos lembrar dos poucos sonetos escritos por Orides Fontela, das Retrancas de Alberto da Cunha Melo e quase a totalidade de poemas da obra de Alberto da Costa e Silva. Outros exemplos? Por questão de espaço e num próximo momento poderemos mapear e melhor definir o fenômeno. É uma poesia de procura de teor intemporal e se trata de uma espécie poética em que fulge a essência da percepção da língua, de fundo filosófico e refinamento do verso. Desse modo, o poema pode atingir um nível transcendental que não se esgota e se afirma com o tempo.

A obra A Imitação do Amanhecer, de Bruno Tolentino, contém 539 sonetos, escritos ao longo de 25 anos, precisamente entre 1979 e 2004. O livro composto de três movimentos talvez seja o mais extenso livro single de sonetos da poesia brasileira recente, ultrapassando obras como os Sonetos Completos de Gilberto Mendonça Teles, com 217 peças e Todos os Sonetos de Alphonsus de Guimaraens Filho, com 296 peças. Outros poetas até ultrapassam o valor numeral de A Imitação do Amanhecer, tendo como exemplo a obra Nau de Urano de Nauro Machado, com 806 peças. Porém, neste caso, trata-se de uma recolha de todos os sonetos publicados em livros entre 1958 e 2002. O mesmo serve para os 1.194 sonetos de Luís Delfino (1834-1910), recolhidos em volume único postumamente. Somando-se todas as peças dessa modalidade lírica, Bruno Tolentino, em todos os seus livros, ultrapassa a conta de mil composições.

Nos dias atuais e no decorrer dos anos, a poesia de Bruno Tolentino continuará uma seara de compreensão custosa ­­­— e fascinante — pelas possibilidades de leitura e pela exigência de um leitor experiente e devotado naquilo que o poeta deixou de legado para a nossa posteridade. Em outro momento, pretendo também ocupar-me em elementos encontráveis no volume As Horas de Katharina (obra na qual creio que é a mais bem harmoniosa e convincente), A Balada do Cárcere e Anulação & Outros Reparos (livro de estreia do poeta que recebeu o prêmio Revelação do autor 1960), do qual o júri foi composto por Manuel Bandeira, Cassiano Ricardo e Ledo Ivo, e teve o prefácio assinado pelo jovem José Guilherme Merquior. 

No soneto apresentado — estrutura que é ao mesmo tempo autônoma e perfaz um tecido de significado único — pela força dos enjambements sugere um formato de espiral sem ponto de início e fim em todo o livro. O sujeito poético trilha um desvendamento por uma cidade universal e mítica, nos planos do real e do imaginado em Alexandria. A representação condigna de desenvolver suas tensões existenciais e filosóficas no desprendimento do passado e na observação e aceitação dos substratos mutacionais da vida. Algo que é irremediavelmente inerente a nossa natureza humana.

sábado, 30 de junho de 2012

ABGAR RENAULT E A POÉTICA PESSIMISTA




O poeta mineiro Abgar Renault (1901-1995) é hoje tido como um poeta pouco conhecido do grande publico leitor, assim como para os leitores mais especializados. Mais conhecido pelas suas facetas (igualmente relevantes) no campo da educação e da política do que na poesia, Abgar Renault desenvolveu uma escrita que não se confunde com a dos seus contemporâneos. A obra produzida não se caracteriza como ao de um poeta menor, ao contrário, percebe-se no poeta um alto nível de cosmovisão contida na observação do mundo mais vasta e mais organizada que a média dos nossos poetas.

         Talvez a falta de ambição maior no território literário o reduza como um desconhecido por completo no cenário literário nacional. Mas vale ressaltar, porém, que com a calma e paciência, e, sobretudo, a falta de pressa em publicações, Abgar Renault desenvolveu uma poesia dotada de carga imagética e condensação filosófica, justificando a reivindicação de presença tanto em âmbito acadêmico quanto nos manuais de literatura. Uma urgência é destinada aos editores: a reedição de uma antologia ou da Obra Poética do autor, publicada em 1990, já se faz mais do que necessária. Na confrontação de características em que se desenvolve, evidencia-se no poeta certo teor pessimista e desconcerto sobre as demandas temporais e existenciais do ser humano.

 Gênese geracional de Abgar Renault

       A geração de Abgar Renault é a mesma de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e Murilo Mendes (1901-1975), dois pilares da poesia moderna e de todos os tempos, e de valores incontornáveis à nossa literatura. Outros autores da geração mineira são relevantes ao período: o poeta Emílio Moura (1901-1971), o memorialista Pedro Nava (1903-1984), os ficcionistas Aníbal Machado (1894-1964) e Ciro dos Anjos (1906-1994), o contista João Alphonsus (1901-1944) e políticos também, tais como Gustavo Capanema (1900-1985) e Pedro Aleixo (1901-1975). Abgar Renault se situa entre essas duas esferas, a política e a literária, uma vez que se elegeu deputado estadual na década de 1930 e nunca mais se afastou da vida pública, ocupando cargos diretivos no ramo da educação do seu estado natal, e a posteriori no contexto nacional e internacional, chegando a ocupar o Ministério da Educação (1956) e cargos na UNESCO por vários anos.

       Isso explica talvez o seu aparecimento restrito na vida e/ou carreira literária brasileira do século XX. Assim, inclui-se na geração tardia (ou dispersa) do Modernismo brasileiro, da qual podemos incluir Dante Milano, Sosígenes Costa e Joaquim Cardozo. Sem dúvida, Abgar possuía um comportamento um tanto refratário com relação à edição de possíveis livros seus, embora tenha aderido ao movimento desde a primeira hora. Se Abgar não teve uma participação literária editorial nem de vida literária, contudo, ele não prescindiu do trabalho estético, sobre o qual atravessou sete décadas de notável produção intelectual e literária. Dotado de sólida formação humanística, foi tradutor, filólogo, teórico da educação, professor e ensaísta. Na poesia, de nítida conotação surrealista, produziu com raro conhecimento estilístico, desde os exercícios concretistas, atravessando o verso livre em todas as suas possibilidades, além de ter experimentando a versificação isométrica e formatos mais tradicionais, como por exemplo, o soneto e a balada.

        Apesar de um profundo pessimismo e desencanto pela vida, o que levou à perspectiva filosófico-antropológica de negação da transcendência, contrastada por uma vida materialmente e intelectualmente bem sucedida, Abgar Renault, em sua poesia, pouco conhecida pelo meio acadêmico, atinge um nível literário comparável aos nossos melhores poetas do modernismo brasileiro.

         O entrave dessa falta de conhecimento deve-se, talvez à tardia iniciação editorial de sua carreira literária, iniciada apenas aos 68 anos. 

        Qual terá sido o motivo? (...)

sábado, 28 de abril de 2012

SERGIO CORAZZINI: Outros poemas traduzidos

     

Em complemento ao ensaio que foi publicado na edição de Março da revista Verbo 21, segue mais cinco poemas do poeta italiano Sergio Corazzini (1886-1907). Assim sendo, oferece-se a oportunidade de publicação a uma poesia que é praticamente desconhecida do leitor brasileiro. Os livros publicados pelo autor italiano, assim como de outros poetas do movimento que integravam, os Crepuscolari, foram alvos de contato em poetas brasileiros no início do Século XX. Os poemas abaixo sugerem transparecer alguns pontos estéticos que aproximam de certas composições, sobretudo dos volumes de poesia iniciais de Manuel Bandeira, Rui Ribeiro Couto e Raul de Leoni, poetas que tiveram de alguma forma uma aproximação perene e afetiva com determinadas obras do referido movimento.
Nos poemas isométricos, procurei quando possível conservar a métrica decassílaba e as acentuações de ritmo internas desse tipo de verso, os quais são similares ao hendecassílabo italiano. Nos poemas com versificação polimétrica, buscou-se a tradução mais próxima (e literal) dos originais, com atenção à preservação do ritmo e a fluência mais apropriada dos versos em português. Quando não foi possível valer-se da tradução literal devido às condições de natureza formal, busquei pela solução do qual Sérgio Milliet prescrevia, ou seja, em ideia precisa de equivalência, consistindo da não tradução exata das palavras, mas da expressão do mesmo sentimento e até das mesmas imagens sob forma diferente.
Cabe salientar que apesar de algumas similitudes entre as línguas advindas do mesmo tronco linguístico foram necessários algumas modificações frasais, antecipações e/ou retardos do andamento dos versos no original para sua versão em português. Tal fator considera-se como algo natural ao contexto de traduções, estritamente quando são em versos, uma vez que suas especialidades, ritmo e permanência do que se considera o poético são fatores a ser considerados como essenciais à natureza do trabalho.

Para continuar a leitura deste ensaio, seguir o link:

sexta-feira, 13 de abril de 2012

DAS CONTEMPLAÇÕES I & II

I

Suprema! Simplesmente és Suprema!
irremediavelmente viça e bela
real verdade a placidez ao vê-la
lance harmonioso e de Beleza extrema.

Exótica tu és, fina e formosa,
sim! Que me atrai, prende, comove em prantos,
são mistérios sutis, são bons encantos,
a delicada forma augusta e airosa.

És a Lua que brilha no momento.
reina a constelação, reina os espaços
cristaliza a amplidão do Sentimento.

Se, então, a Harmonia há de estar acesa,
deixa-me confinar nesses teus braços,
ó majestosa flor da sutileza...                               

II

É mais que uma vibrante formosura
da qual me transcendo em emoção,
a beleza que invade o coração
traz uma luz, uma energia pura.

Onde ela passa tudo se transforma;
é como se trazer fosse, em verdade,          
esta sublime e audaz felicidade
que abala o todo e modifica a norma.

És como um oásis de fonte benigna,
esta suprema realeza digna
me prende, me arrebata... desconcerto:

assim rendido fico, porém certo
de que sabes, eu te desejo a fundo,
és a coisa que mais quero no Mundo...